65 99230 9678 | 65 3055 2070

CUIABÁ

Mundo

Talibã pede ajuda internacional após terremoto no Afeganistão

Publicados

Mundo

source
Terremoto no Afeganistão
Reprodução: Facebook / Bakhtar News Agency

Terremoto no Afeganistão

Em um movimento raro, o líder supremo do Talibã, Haibatullah Akhundzadah, que pouco aparece em público, solicitou à comunidade internacional e às organizações humanitárias “que ajudem o povo afegão afetado” e “não poupe esforços” para recuperar o país após um terremoto de magnitude 5,9, na manhã da quarta-feira, deixar cerca de mil mortos e outros 1.500 feridos . O evento foi classificado pelas autoridades locais como “grande tragédia”.

Autoridades afegãs estão realizando buscas nesta quinta-feira para chegar a uma área remota atingida pelo terremoto, mas as comunicações precárias e a falta de estradas adequadas dificultaram os esforços, disseram autoridades.

O terremoto ocorreu a cerca de 160 quilômetros a sudeste de Cabul, em montanhas áridas e repletas de pequenos assentamentos, perto da fronteira com o Paquistão, atingindo áreas que já sofriam os efeitos das fortes chuvas recentes. Por conta do abalo, uma série de desmoronamentos e deslizamentos de terra ocorreram, dificultando os esforços de resgate.

“Não podemos alcançar a área, as redes são muito fracas, estamos tentando obter atualizações”, disse à Reuters Mohammad Ismail Muawiyah, porta-voz do principal comandante militar talibã, na província de Paktika, a mais atingida.

Além dos cerca de mil mortos e 1.500 feridos, mais de 3 mil casas foram destruídas. Cerca de 600 pessoas foram resgatadas de várias áreas afetadas, acrescentou Muawiyah.

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, disse que a entidade está “totalmente mobilizada” para ajudar, com o envio de equipes de saúde e suprimentos de medicamentos, alimentos, kits de trauma e abrigos de emergência para a zona do terremoto.

A operação de resgate será um grande teste para as autoridades islâmicas do Talibã, que assumiram o controle do país em agosto passado após duas décadas de guerra e foram cortadas de grande parte da assistência internacional por causa das sanções. O ministério da defesa, liderado pelo Talibã, está liderando os esforços de resgate.

Socorristas lutam para chegar à zona do terremoto

Mesmo antes da tomada do Talibã, as equipes de resposta a emergências do Afeganistão estavam sobrecarregadas para lidar com os desastres naturais que atingem o país. Com aviões e helicópteros em condições de voar desde que o Talibã voltou ao poder, no entanto, qualquer resposta imediata à mais recente catástrofe é limitada.

A mídia afegã publicou fotos de casas reduzidas a escombros e corpos envoltos em cobertores no chão horas após o terremoto. A cidade de Gayan, perto do epicentro, sofreu danos significativos, com a maioria de seus edifícios de paredes de barro danificados ou completamente desmoronados, segundo a Reuters.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mundo

Túmulos de quatro crianças astecas são descobertos no México

Publicados

em

 No coração do centro histórico da Cidade do México, arqueólogos mexicanos descobriram onde quatro crianças astecas foram sepultadas cerca de cinco séculos atrás.

Arqueólogos do Instituto Nacional de Antropologia e História do México encontraram os esqueletos dentro do que acreditam ter sido uma casa asteca tradicional com quatro quartos, com data entre 1521 e 1620, no início do período colonial do país.

As escavações também descobriram objetos pré-hispânicos, praticamente intactos séculos depois, como vasos de barro, potes de cerâmica e uma figura de pedra de uma mulher segurando uma criança, disse o instituto em um comunicado esta semana.

Os astecas eram uma civilização guerreira e muito religiosa, que construiu obras monumentais e praticava o sacrifício humano. No entanto, pesquisadores dizem que as crianças encontradas morreram de causas naturais e foram sepultadas em um tradicional estilo pré-hispânico.

Juan Carlos Campos, arqueólogo que liderou a escavação, disse que os indígenas enfrentavam duras condições de vida e não conseguiram fugir depois que os conquistadores espanhóis tomaram a capital asteca Tenochtitlán, que se tornou a Cidade do México.

Os astecas governaram um império que se estendeu do Golfo do México ao Oceano Pacífico, abrangendo grande parte do que é a região central do México em tempos modernos. Tenochtitlán foi conquistada pelo espanhol Hernán Cortés em 1521.

Fonte: EBC Internacional

Continue lendo

MAIS LIDAS