65 99230 9678 | 65 3055 2070

CUIABÁ

POLÍTICA NACIONAL

Senadores lamentam morte de Elza Soares

Publicados

POLÍTICA NACIONAL


A cantora Elza Soares morreu nesta quinta-feira (20), aos 91anos, na cidade do Rio de Janeiro. O perfil oficial da cantora no Instagram informou que ela morreu em sua casa, de causas naturais. Vários senadores lamentaram a morte da artista em suas redes sociais, destacando seu engajamento nas causas sociais, grande talento e sua trajetória artística.

Romário (PL-RJ) lamentou o fato de o país ter perdido a voz da “mulher do fim do mundo”, em referência ao título de um dos CDs gravados pela cantora. A morte de Elza Soares é, segundo o senador, uma “imensa tristeza para o Brasil”. “Com ela, se vai uma das vozes mais emocionantes do nosso país”, registrou. Jaques Wagner (PT-BA) disse que “o Brasil perde hoje uma grande artista e cidadã”. Ele se declarou um fã de Elza Soares, “cuja história e voz sempre foram manifestações de força e resistência”. Segundo o senador, a vida e o legado da cantora jamais serão esquecidos. Jaques Wagner ainda completou: “Viva Elza hoje e sempre!”

Para Paulo Rocha (PT-PA), que também se declarou um fã da cantora, a voz de Elza Soares será “eterna”. Ele manifestou “sinceros sentimentos aos familiares, amigos e fãs” e definiu a intérprete como um dos maiores nomes da música brasileira de todos os tempos. Izalci Lucas (PSDB-DF) disse que a voz forte da cantora surgiu do meio do povo e cantou a igualdade por muitos anos. “Obrigado! Vá em paz, Elza”, registrou o senador. José Aníbal (PSDB-SP) relembrou as entrevistas de Elza Soares, que “eram um aprendizado sobre a vida”. Ele elogiou a coragem, a sabedoria e as posições libertárias da “cantora extraordinária” e também destacou sua permanente denúncia e sua ação antirracismo.

Alvaro Dias (Podemos-PR) manifestou seu “pesar e solidariedade à família, amigos e fãs da inesquecível cantora Elza Soares”. Segundo Rogério Carvalho (PT-SE), a cantora marcou época e se tornou símbolo de muitas lutas sociais. “O país perde uma filha apaixonada por esta Nação e indignada com as injustiças do mundo”. Ele também expressou seus “sentimentos e solidariedade para todos os amigos, familiares e ao povo brasileiro”.

Na opinião de Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Elza Soares leva consigo uma parte da nossa história e “uma parte imensa da cultura e da construção do nosso povo”. Randolfe afirmou que “foi através dela que brasileiros e brasileiras cantaram, dançaram, resistiram”. Segundo do senador, “é triste, dói, mas no final das contas, ela ficará aqui, em nós”. Humberto Costa (PT-PE) também manifestou solidariedade à família, aos amigos e fãs de Elza Soares, a quem definiu como “mulher guerreira e engajada, uma das maiores cantoras da história do nosso país, com reconhecimento mundial”. “Que perda enorme para o Brasil”, lamentou Humberto.

Voz

Zenaide Maia (Pros-RN) lembrou que Elza Soares foi eleita “A voz do milênio”, em 1999, em uma votação da rádio britânica BBC. A senadora lamentou a morte da “Mulher do Fim do Mundo”, que com sua voz marcante foi emissora de inúmeros clássicos musicais, emocionando e despertando o Brasil e o mundo com canções que pautavam o amor e a alegria. Zenaide também destacou a luta da cantora contra o racismo, a violência contra a mulher e todo o tipo de preconceito.

De acordo com Jean Paul Prates (PT-RN), Elza Soares “foi resistência, quebrou padrões e barreiras com seu talento genuíno e tão tocante”. Ele disse que sua voz agora ecoa para toda a eternidade no rol das grandes artistas da música popular brasileira. “Que nossos corações se confortem em suas canções e em sua luta”, completou o senador. Wellington Fagundes (PL-MT) também lamentou a morte da cantora. Porém, disse o senador, sua voz rouca e potente vai ecoar por toda a eternidade.

Para Alessandro Vieira (Podemos-SE), hoje o Brasil ficou menor, mais triste e menos inovador. “Elza Soares foi uma força da natureza que presenteou os brasileiros com arte e superação. Que descanse em paz”, disse o senador. Paulo Paim (PT-RS) reverenciou “a sua vida, a sua arte e o seu talento”. O senador disse que “sua voz encantava a todos nós”. Na visão de Paim, Elza soares era “uma mulher de horizontes e de um cantar universal, defendendo seu povo contra o racismo e as injustiças”. Ele ainda registrou seus “sinceros sentimentos aos familiares, amigos e colegas da música”.

Vida

Elza Soares nasceu em 23 de junho de 1930, no Rio de Janeiro. Começou a fazer sucesso na música ainda na década de 1950, em programas de rádio. Gravou dezenas de discos, ficou famosa com sua interpretação intensa, gutural, com uma voz que manteve sua força por toda a carreira. Seu último disco foi lançado no ano passado.

Ela cantou o Hino Nacional na abertura dos Jogos Panamericanos de 2007, no Rio. Era considerada uma das maiores e mais versáteis intérpretes brasileiras, transitando entre o samba e a música eletrônica. Elza foi casada com o jogador Garrincha, que morreu também em um dia 20 de janeiro, no ano de 1983, aos 49 anos.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

POLÍTICA NACIONAL

Comissão debate recomposição do financiamento do Samu

Publicados

em

Breno Esaki/Agência Saúde
Saúde - Ambulância - Samu - Serviço móvel de Urgência - Emergência - Resgate - Samu-DF celebra 16 anos de serviços pré-hospitalares prestados à população
Repasses não acompanharam evolução de custos, segundo deputada

A Comissão Mista de Orçamento da Câmara dos Deputados debate nesta terça-feira (28) a necessidade da recomposição do financiamento tripartite do Programa de Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), no que se refere aos recursos a ele destinados para fins de custeio de suas atividades rotineiras.

De acordo com a deputada Leandre (PSD-PR), que propôs a realização do debate, os valores repassados pelo governo federal não acompanharam a evolução dos custos operacionais. Segundo ela, isso tem provocado uma sobrecarga dos municípios, que têm absorvido o maior impacto financeiro para a manutenção do serviço 192.

“Em razão do desequilíbrio financeiro na manutenção dos serviços, foi solicitado um recurso emergencial, durante o enfrentamento da pandemia, de modo a equilibrar a acentuada desproporção dos valores direcionados para custeio das unidades e seus componentes, bem como providências no sentido de avaliar a correção da defasagem em oito anos. No entanto, não há resultados até o presente momento”, afirma a deputada.

Foram convidados, entre outros:

– a representante do Ministério da Saúde Lilian Santos Barreto;

– o presidente da Rede Nacional dos Consórcios Públicos (RNCP), Victor Borges.

Confira a lista completa de convidados

A reunião será realizada às 10 horas, no plenário 2.

Da Redação – RL

Continue lendo

MAIS LIDAS