65 99230 9678 | 65 3055 2070

CUIABÁ

Mundo

Plástico destrói paraíso ambiental no Sri Lanka

Publicados

Mundo


Praias douradas do Sri Lanka estão cobertas por pequenas bolhas de plástico, depois do incêndio e naufrágio do cargueiro X-Press Pearl há vários meses. Destroços da embarcação continuam a provocar estragos ambientais e econômicos.

A areia dourada deu lugar a milhares de pequenas bolhas de plástico, chamadas de nurdles, que estão aparecendo ao longo da costa da ilha por centenas de quilômetros. A Organização das Nações Unidas (ONU) considerou o naufrágio do X-Press Pearl, em maio de 2021, o “maior derramamento de plástico” da história, com cerca de 1.680 toneladas de nurdles lançadas ao oceano.

A maioria foi parcialmente queimada e contaminada com produtos químicos e detritos, o que representa ameaça à vida marinha e à comunidade local.

Turista inglês afirmou ao The Guardian que quando levou a família de férias para o país, os “filhos queriam nadar e brincar nas praias. Mas a areia era preta e parecia inseguro nadar”.

Desastre desencadeou enorme esforço de limpeza. A Marinha do Sri Lanka e a Autoridade de Proteção do Meio Ambiente Marinho (Mepa) reuniram cerca de 50 mil habitantes, principalmente mulheres, para recolher nurdles e outros detritos. Já foram recolhidos 60 mil sacos de 50 quilos.

Mulheres removem pequenas bolhas de plástico com máquinas trommel, peneiras rotativas semelhantes a tambores, que filtram partículas da areia. Só na praia de Sarakkuwa, moradores recolhem, em média, de 80 a 100 quilos de detritos por dia.

“Elas terminaram a limpeza da superfície, mas as nurdles estão agora enterradas na areia, a cerca de dois metros de profundidade. A maioria está queimada e é formada de pequenas partículas difíceis de remover com peneira ou trommel”, disse ao jornal Hemantha Withanage a diretora e ambientalista do Centro de Justiça Ambiental do Sri Lanka.

Segundo Hemantha Withanage, “as nurdles foram armazenadas em sacos de polietileno, em vez de recipientes rígidos, o que facilitou o derramamento”.

O país quer que partículas sejam declaradas resíduos tóxicos e apresentou à Organização Marítima Internacional proposta para regular transporte marítimo de pellets de plástico, que será debatida ainda neste ano.

No entanto, isso não ajudará a economia do Sri Lanka. Em 2019, antes da pandemia, turismo representava 12,6% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e aproximadamente a terceira maior fonte de divisas.

Hotéis de luxo estão limpando suas praias privativas.

A pesca é outra fonte de rendimento do país, mas a poluição provocada pelo incêndio e naufrágio do X-Press Pearl provoca queda de rendimento.

A maioria dos pescadores ficou sem trabalho durante vários meses, e o governo pouco ajudou, afirmou Withanage.

Segundo a ambientalista, “as autoridades esqueceram que a pesca está sendo feita em águas contaminadas. Efeitos nocivos somam-se ao pedido de indenização para que o governo use fundos para ajudar os pescadores”.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mundo

Sanções econômicas levam Rússia a dar calote histórico

Publicados

em

A Rússia deu calote em seus títulos soberanos estrangeiros pela primeira vez em mais de um século, disse hoje (27) a Casa Branca, uma vez que as sanções abrangentes efetivamente excluíram o país do sistema financeiro global e tornaram seus ativos intocáveis.

O Kremlin, que tem o dinheiro para fazer os pagamentos graças às receitas de petróleo e gás, rapidamente rejeitou as afirmações, e acusou o Ocidente de conduzir o país a um default (calote) artificial.

Mais cedo, alguns detentores de títulos disseram que não haviam recebido juros vencidos nesta segunda-feira após o fim de um prazo importante de pagamento um dia antes.

A Rússia tem lutado para cumprir os pagamentos de US$ 40 bilhões em títulos desde a invasão da Ucrânia, em 24 de fevereiro.

“A notícia desta manhã sobre a descoberta da inadimplência da Rússia, pela primeira vez em mais de um século, situa a força das ações que os EUA, juntamente com aliados e parceiros, tomaram; bem como o impacto na economia russa”, disse uma a autoridade dos EUA às margens da cúpula do G7 realizada na Alemanha.

Os esforços da Rússia para evitar o que seria seu primeiro grande calote em títulos internacionais desde a revolução Bolchevique, há mais de um século, atingiram uma barreira no final de maio, quando o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos efetivamente bloqueou Moscou de fazer pagamentos.

“Desde março achávamos que um default russo seria provavelmente inevitável, e a questão era apenas quando”, disse à Reuters Dennis Hranitzky, chefe de litigação soberana da empresa de direito Quinn Emanuel, antes do prazo de domingo.

Um calote formal seria em grande parte simbólico, uma vez que a Rússia não pode tomar empréstimos internacionais no momento e não precisa fazê-lo graças às abundantes receitas de exportação de petróleo e gás. Mas o estigma provavelmente aumentará seus custos de empréstimo no futuro.

Os pagamentos em questão são de US$ 100 milhões em juros sobre dois títulos, um denominado em dólares e outro em euros, que a Rússia deveria pagar em 27 de maio. Os pagamentos tinham um prazo de extensão de 30 dias, que expirou neste domingo (26).

O Ministério das Finanças da Rússia disse que fez os pagamentos ao seu Depositário Nacional de Liquidação (NSD, na sigla em inglês) em euros e dólares, acrescentando que cumpriu com as obrigações.

Em uma ligação com repórteres, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a Rússia fez os pagamentos de títulos com vencimento em maio, mas o fato de terem sido bloqueados pela Euroclear por causa das sanções ocidentais à Rússia “não é problema nosso”.

Sem prazo exato especificado no prospecto, advogados dizem que a Rússia pode ter até o final do dia útil seguinte para pagar os detentores dos títulos.

Agências de classificação de crédito em geral rebaixam formalmente a classificação de um país para refletir o calote, mas isso não se aplica no caso da Rússia já que a maioria das agências já não classificam mais o país.

Continue lendo

MAIS LIDAS