65 99230 9678 | 65 3055 2070

CUIABÁ

AGRONEGÓCIO

Mapa dos estragos – Sistema FAEMG faz levantamento inédito dos problemas causados pelas chuvas nas propriedades rurais mineiras

Publicados

AGRONEGÓCIO


As chuvas chegaram fortes e destruíram estradas, cercas e barracões. A água afogou animais e destruiu plantações. Os danos causados pelas tempestades e enchentes, que assolaram os campos de Minas Gerais neste último mês, foram grandes. Mas quais foram os maiores problemas enfrentados pelos produtores rurais do estado? Mapeamento inédito feito pelo Sistema FAEMG/SENAR/INAES/Sindicatos indicou que as restrições de acessos, com interdições e desmoronamentos das vias que servem para o escoamento da produção, foram as que mais prejudicaram o agronegócio neste início de ano. Em segundo lugar, a destruição das cercas também representou prejuízo em todas as regiões atingidas. Por fim, a queda da energia elétrica e demora no restabelecimento também gerou fortes perdas. 

No levantamento, feito pelos técnicos do Programa de Assistência Técnica e Gerencial – ATeG e parceiros do Sistema FAEMG, a partir do preenchimento de 1.412 formulários eletrônicos com dados de produtores de 263 municípios de Minas, também estão registradas perdas de animais e de lavouras, além da destruição de outras infraestruturas nas fazendas. A amostra busca diagnosticar a atual situação dos produtores e das propriedades afetadas pelas chuvas de dezembro e deste mês, visando a elaboração de ações estratégicas do Sistema FAEMG e a busca pelo apoio para as soluções junto ao poder público e facilitação de negociações junto a instituições financeiras.

A diretoria do Sistema FAEMG tem dialogado diariamente com presidentes de sindicatos das principais regiões atingidas no estado para buscar ainda mais informações sobre os problemas que castigam os produtores rurais. Todo este conteúdo levantado já vai ser apresentado para a ministra da Agricultura, Teresa Cristina, em reunião, em Brasília, na próxima quarta-feira. Também já foi solicitada audiência ao governador Romeu Zema e serão feitas articulações com deputados e representantes de instituições que possam ajudar na solução dos problemas.

“Estamos trabalhando em todas as frentes para tentar atenuar os problemas sofridos pelos produtores rurais mineiros com as intensas chuvas. O mapeamento vai nos guiar para melhorar esta ajuda, seja para reabertura de estradas ou para capacitação para a retomada das atividades. Sindicatos e escritórios regionais vão participar desta força tarefa. E já estamos em contato com várias esferas do governo estadual e até federal para ampliar estas ações e minimizar as perdas no campo.” – Antônio de Salvo, presidente do Sistema FAEMG

“A pesquisa liderada pelo Sistema FAEMG/SENAR/INAES/Sindicatos, junto aos produtores rurais afetados pelas chuvas, apontou que danos maiores foram os estruturais, nas estradas de acesso, com cercas e decorrentes da falta de energia elétrica. O Sistema FAEMG vai trabalhar nas ações de capacitação para que o produtor possa se reerguer e ajudar na retomada da economia do meio rural dos municípios de maneira mais rápida. As ações estão sendo elaboradas e serão implementadas o mais breve possível. Na próxima semana, já estaremos com projetos rodando em regiões afetadas.” – Christiano Nascif, Superintendente do SENAR Minas

“Esta é uma amostra significativa do que ocorreu nas áreas rurais mineiras. Não há como dizer que é um retrato fiel aos problemas de todo o estado, mas dá indicativos muito sólidos dos principais problemas e do que o produtor rural precisa, para o Sistema FAEMG poder ajudar nas áreas de apoio institucional, capacitação e assistência técnica e gerencial.” – Bruno Rocha, gerente de Assistência Técnica e Gerencial do Sistema FAEMG

PRINCIPAIS RESULTADOS DO MAPEAMENTO:

NA PECUÁRIA

Dos entrevistados, 12% relataram perda de animais. Ranking das cadeias mais atingidas:

1º Aves
2º Bovinos
3º Abelhas (colmeias)
4º Suínos
5º Peixes

As perdas de pastagens também foram citadas como problema que afetou a maior parte dos produtores rurais. As maiores perdas foram registradas nas regiões de Governador Valadares, Sete Lagoas e Montes Claros.
 

NA AGRICULTURA

Dos entrevistados, 17% relataram perda de produção agrícola. Ranking das cadeias mais atingidas:

1º Milho
2º Feijão
3º Alface 
4º Sorgo
5º Mandioca

Fonte: CNA Brasil

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

AGRONEGÓCIO

Rendimentos de trigo produzidos na Ucrânia podem ser reduzidos, enquanto os de milho podem aumentar

Publicados

em

A unidade de pesquisa agrícola SovEcon da Rússia reduziu seu rendimento de grãos ucraniano em 2022 em 1,4 milhão de toneladas, para 20,7 milhões de toneladas. Na temporada de 2021, o valor total registrado foi de 32,2 milhões de toneladas.

Em termos de safra de milho do país, a consultoria aumentou sua previsão em 1,1 milhão de toneladas, para 28,1 milhões de toneladas ante 42,1 milhões de toneladas até 2021.

De acordo com Andrey Sizov, analista do mercado de trigo da região do Mar Negro e diretor da SovEcon, em um relatório enviado aos clientes, os rendimentos do trigo são baixos nas áreas devastadas pela guerra. Soma-se a isso o baixo rendimento de grãos devido à falta de chuvas. “Grande parte das áreas semeadas recebeu apenas 60% e 80% da precipitação normal durante os últimos meses”, disse.

Odessa, uma cidade costeira da Ucrânia na costa do Mar Negro, recebeu menos de 50% das chuvas. “A produtividade atual de cevada de inverno na região, com queda de 50% em relação à temporada anterior, indica que a produção de trigo também provavelmente será baixa”, disse ele.

Por outro lado, a produtividade média do milho aumentou para 6,10 toneladas/hectare de 5,86 toneladas/hectare, e a disponibilidade de insumos agrícolas superou as expectativas.

As condições climáticas são um tanto quanto desfavoráveis devido a ausência de chuvas, lembrou Sizov.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) estima que a safra de trigo da Ucrânia seja de 21,5 milhões de toneladas e a de milho seja de 25,0 milhões de toneladas.

Fonte: Agroplus.tv

Fonte: AgroPlus

Continue lendo

MAIS LIDAS