65 99230 9678 | 65 3055 2070

CUIABÁ

Turismo

Eslovênia, país que inspirou nome de participante do BBB 22

Publicados

Turismo


source
Elovênia foi batizada em homenagem ao país europeu
Reprodução / Unsplash

Elovênia foi batizada em homenagem ao país europeu

A Eslovênia, pequeno país na Europa Central, não era muito conhecida dos brasileiros. Contudo, desde a estreia do ‘Big Brother Brasil 22’ nesta segunda-feira (17), o nome tem chamado a atenção por causa de uma das participantes do grupo Pipoca. A jovem Eslovênia Marques de Lima, de 25 anos, é natural do estado da Paraíba e foi batizada em homenagem ao destino europeu. A nomeação incomum, dessa forma, foi escolhida pelo pai dela, atraído, na época em que a sister nasceu, pela divisão da Iugoslávia. 

A Eslovênia é uma nação relativamente nova, foi declarada independente em 1991. Na verdade, foi exatamente o processo separatista que inspirou o pai da paraibana a nomear a filha. Na década de 1990, Eslovênia, Croácia, Bósnia-Herzegovina, Macedônia, Montenegro e Sérvia integravam um único país: a Iugoslávia, que surgiu após o fim da Primeira Guerra Mundial, em 1918. No entanto, devido às enormes diferenças religiosas, culturais e étnicas da região, os conflitos entre a população se tornaram insustentáveis. 

Apesar de não ser o destino europeu mais buscado pelos viajantes e possuir aproximadamente 2 milhões de habitantes, a Eslovênia tem um grande potencial turístico. O local se divide entre belas paisagens montanhosas dos Alpes, vastos campos verdes, uma considerável cadeia de cavernas e uma infinidade de outros cenários naturais encantadores. O criador de conteúdo Marcus Vinícius foi para o país em 2017. Ao iG Turismo, ele revelou como foi conhecer o território que faz fronteira com a Áustria, Croácia e Hungria. 

Marcus, de 35 anos, já viajou para 103 países. Como queria pisar em cada país Europeu, não foi difícil incluir a Eslovênia no roteiro. Então, a viagem ficou para maio daquele ano, época favorável para se estar na região, já que o clima é ameno e agradável, durante a primavera europeia. Sendo um destino diminuto, é possível transitar pelas principais atrações em um ou dois dias. 

(Continue a leitura logo abaixo)

Leia Também

Liubliana

“Cheguei na capital Liubliana em um dia bem fechado, com garoa fina e uma uma ventania bem gelada. Entretanto, amo andar e o tempo ruim não me parou, consegui andar bastante e conhecer a capital. A cidade tem uma arquitetura muito linda, muitas ruas com prédios coloridos que chamam muito a atenção de quem está passando. Ao caminhar pelas ruas, mesmo com o tempo nublado, percebi uma feirinha de rua com muitas frutas e guloseimas. Isso sempre me atrai nas viagens, especialmente pela prova grátis onde posso provar tudo o que estão distribuindo. Sempre é bom para comprar uma fruta ou algo para se alimentar, assim não temos que parar para comer quando o tempo é curto”, explica. 

Liubliana é a capital da Eslovênia e o maior destaque turístico. Como os países europeus são, em sua maioria, bem pequenos, os viajantes costumam chegar de carro ou de trem, que é mais comum. Caminhando pela cidade, o turista encontrará o Castelo de Liubliana, a Ponte Tripla, a igreja franciscana, a praça Kongresni Trg e diversas esculturas de dragões espalhadas pelas pontes da região. Além disso, a arquitetura dos edifícios e as ruas estreitas datam do período medieval.

Leia Também

(Continue a leitura logo abaixo) 

Leia Também

“Nos países europeus sempre há um castelo, por isso resolvi subir ao topo do Castelo para ver a cidade de cima, o que traz uma vista impressionante e muito bonita, mesmo com a chuva que caía. Fiquei algum tempo no prédio conhecendo cada cantinho e vendo algumas obras e réplicas que tinham por lá”, conta. 

O próximo passo foi passear pelas ruas e entrar em contato com os hábitos da população. A Eslovênia sofreu influência de vários povos ao longo da história, tornando-se um país carregado de particularidades culturais. “Para a minha alegria, no fim do dia o tempo melhorou e pude voltar ao centro e refazer meus passos para ver as ruas e as lindas igrejas iluminadas. Consegui ver muitas pessoas nas ruas, transitando, comendo algo a céu aberto ou nos restaurantes, crianças brincando e uma ‘bandinha de rua’ tocando um som alegre. O povo local dançando, com uma vista incrível para o Castelo de Liubliana, totalmente Iluminado”, detalha. 


Bled

A cidade de Bled também é uma parte indispensável da viagem. Ela é rodeada pelos Alpes Julianos e repleta de paisagens estonteantes. Localizada a cerca de 50 km da capital do país, a atração de maior relevo é o Lago de Bled, o mais popular dentre os 300 lagos da Eslovênia. Quem passar por lá pode realizar atividades como pesca, remo, ciclismo e natação. 

“A cidade é totalmente turística tanto para estrangeiros, quanto para o povo local. Ao chegar vi apresentações de música num palco em frente ao lago, alguns grupos passando e tocando sanfona, levando alegria naquele dia ensolarado onde muitos pararam e sentaram na grama para apreciar um bom sorvete. Eu, como andarilho, resolvi dar a volta caminhando pelo lago inteiro, que me rendeu um dia todo de turismo e ótimas fotos de vários ângulos diferentes. Para finalizar, escalei o penhasco e cheguei ao Castelo para ver a vista de cima, que é simplesmente linda”, lembra.

Fonte: IG Turismo

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Turismo

Museu subaquático em Cannes une arte e preservação da vida marinha

Publicados

em

source
Cannes Underwater Eco-Museum (Ecomuseu Subaquático de Cannes, em português)
Fotos de @jasondecairestaylor

Cannes Underwater Eco-Museum (Ecomuseu Subaquático de Cannes, em português)

O Cannes Underwater Eco-Museum (Ecomuseu Subaquático de Cannes, em português) , foi inaugurado em Cannes, França, em fevereiro de 2021. Financiado pela Mairie de Cannes e encomendado pelo prefeito, David Lisnard, o projeto levou mais de quatro anos para ser finalizado. 

Jason deCaires Taylor é o artista à frente das peças que ficam submersas no mar. O Ecomuseu Subaquático se torna o primeiro lugar que as suas obras são instaladas no Mar Mediterrâneo, apresentando uma série de seis retratos monumentais , cada um com mais de 2 m de altura e 10 toneladas de peso.

As estátuas ficam localizadas perto da ilha de Sainte-Marguerite , uma das ilhas Lérins, ao largo da costa de Cannes. As obras são colocadas a uma profundidade entre 2 e 3 metros, e descansam em áreas de areia branca, entre os prados de gramíneas marinhas posidonias oscilantes na parte sul protegida da ilha, atmosfera característica dos mares.

A pouca profundidade e a proximidade com a costa tornam o local facilmente acessível , e as águas cristalinas proporcionam condições ideais para a prática de Esnórquel (prática de mergulho em águas rasas com o objetivo de recreação, relaxamento e lazer).

Inaugurado em um contexto de pandemia, este é o único museu que você pode acessar de forma socialmente distante, usando uma máscara de mergulho sobre os olhos em vez de uma máscara sobre a boca.

Os seis trabalhos colocados na água são baseados em retratos de membros locais da comunidade , abrangendo uma gama de idades e profissões, por exemplo, Maurice, um pescador local de 80 anos e Anouk, um aluno de nove anos da escola primária.

Cada rosto foi significativamente aumentado e secionado em duas partes, a parte externa se assemelha a uma máscara. O tema das máscaras se conecta com a história da Île Sainte Marguerite, bem conhecido como o local onde o Homem com a Máscara de Ferro foi aprisionado pelo rei Luís 14 no século 17.

“A máscara também é uma metáfora para o oceano: de um lado, ela mostra força e resiliência; do outro, fragilidade e decadência. Da terra, observamos a superfície, calma e serena, ou poderosa e majestosa, no entanto, abaixo da superfície está um ecossistema frágil e perfeitamente equilibrado, um que tem sido continuamente degradado e poluído ao longo dos anos pela atividade humana”, argumenta o artista em seu site.

Antes das peças serem colocadas no mar, a localização das esculturas era em uma área de infraestrutura marítima em desuso.

Além disso, o projeto realizou uma limpeza significativa do local, removendo destroços marinhos como motores antigos e tubulações para criar um espaço para a instalação das obras de arte que foram especificamente projetadas, usando materiais de Ph neutro e aço inoxidável 316 , para atrair a fauna e flora marinhas, ajudando a área a rejuvenescer e florescer. A cada temporada, o museu vai ganhando novas formas e texturas, de acordo com a evolução de algas e outros seres marinhos no local. 

O local agora foi isolado de barcos, tornando-o seguro para mergulhadores e evitando danos por âncoras aos prados de ervas marinhas, área de habitat vital referida como os pulmões do oceano para a vasta quantidade de oxigênio que produz.

Como todos os seus projetos, Jason pretende chamar a atenção para o mar como uma biosfera frágil em urgente necessidade de proteção. Isso porque o artista tem outros museus subaquáticos de sua autoria espalhados pelo mundo, como o Museu de Arte Subaquática (Musa) , no México; Parque de Esculturas Submarinas de Molinere , em Granada; Museu Atlântico , na Espanha; Museu de Escultura Subaquática Ayia Napa (Musan) , no Chipre e o Museu de Arte Subaquática (Moua) , na Austrália. Além de outras instalações solos relacionadas ao ambiente aquático.

Para visitar o museu, é preciso de uma máscara de esnórquel, caso contrário não verá muito. Mas se não tiver, pode encontrá-los nos supermercados ou nas lojas próximas da região.

Acompanhe o  iG Turismo também pelo Instagram e receba dicas de roteiros e curiosidades sobre destinos nacionais e internacionais.

Fonte: IG Turismo

Continue lendo

MAIS LIDAS