65 99230 9678 | 65 3055 2070

CUIABÁ

Mundo

Brics: após atacar vacina da China, Bolsonaro cita ‘parceria’ com país

Publicados

Mundo

source
Presidente da China, Xi Jinping, com Bolsonaro
Alan Santos/PR

Presidente da China, Xi Jinping, com Bolsonaro

Nesta quinta-feira (23), durante reunião virtual da 14ª Cúpula do Brics, o presidente Jair Bolsonaro (PL) celebrou a ‘parceria estratégica’ entre Brasil e China.

Contrariando sua postura nos últimos meses – em que fez críticas contra as vacinas chinesas, chegando a questionar a eficácia e segurança das doses – Bolsonaro rasgou elogios a Pequim e a sua colaboração para o controle e o fim da pandemia. 

Na cúpula realizada em 2021, Bolsonaro também fez declarações contraditórias às que fazia ao seu público brasileiro, quando ele ressaltou o papel chinês para a produção de vacinas contra a Covid-19 no país.

“Saúdo o presidente Xi Jinping e o povo chinês, que tão bem me receberam durante minha visita à China em 2019. Naquela ocasião, pudemos avançar na parceria estratégica entre Brasil e China, com benefícios concretos para os nossos povos, como demonstrado pela nossa cooperação durante a pandemia de Covid-19” , disse Bolsonaro em discurso ao vivo.

Considerado o maior parceiro comercial do Brasil, a China é seguidamente atacada pelo mandatário brasileiro por causa do regime comunista.

Em 2020, Bolsonaro chegou a dizer a apoiadores, pelas redes sociais, que o governo federal não compraria a Coronavac, vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech, em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao governo de João Doria. Apesar disso, o imunizante da fabricante foi o primeiro autorizado para aplicação no Brasil.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mundo

Direito ao aborto: Biden anuncia ações para proteger norte-americanas

Publicados

em

source
Medidas anunciadas são reação contre decisão da Suprema Corte dos EUA
Divulgação/Twitter Joe Biden

Medidas anunciadas são reação contre decisão da Suprema Corte dos EUA


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou na tarde desta sexta-feira (24) ações que seu governo está tomando para proteger as mulheres que enfrentarão as consequências da  decisão da Suprema Corte de revogar o direito das americanas ao aborto.

Em comunicado , a Casa Branca explicou que o democrata orientou a Secretaria de Saúde para garantir o acesso das mulheres à pílula abortiva e medicamentos especiais para cuidados da saúde reprodutiva, aprovados pela agência reguladora dos EUA, a Food and Drug Administration (FDA).

“Diante das ameaças de funcionários do estado dizendo que tentarão proibir ou restringir severamente o acesso a medicamentos para assistência à saúde reprodutiva, o presidente orientou o secretário de Saúde e Serviços Humanos a identificar todas as maneiras de garantir que o mifepristone seja o mais amplamente acessível.”


Afirmando que a decisão da SUprema Corte pode ter “consequências devastadoras na vida das mulheres em todo o país”, o governo norte-americano ressaltou que não vai permitir que autoridades estaduais impeçam mulheres de viajarem a outros Estados para realizar o aborto.

“Se qualquer autoridade estadual ou local tentar interferir no exercício desse direito básico pelas mulheres, o governo Biden combaterá esse ataque profundamente antiamericano.”

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MAIS LIDAS