65 99230 9678 | 65 3055 2070

CUIABÁ

Justiça

Brasil quer ampliar parceria continental de enfrentamento ao crime

Publicados

Justiça

O governo brasileiro propôs hoje (23), durante encontro ministerial entre países da América do Sul, uma aliança estratégica que, fazendo uso de uma base comum de dados, atue de forma mais coordenada no combate a organizações criminosas que atuam no continente.

A ideia, segundo o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, é reunir agentes de todos os países no Centro de Cooperação Policial Internacional (CCPI), localizado no Rio de Janeiro, durante “pelo menos seis meses”, para o desenvolvimento de atividades específicas como ampliação da troca de dados de inteligência; realização de ações integradas; e planejamento de investigações conjuntas.

“A vinda e a estada no Rio de Janeiro desses agentes serão custeadas pelo Estado brasileiro”, disse o ministro ao anunciar a proposta hoje durante o encontro em Brasília. Segundo ele. A Polícia Federal brasileira apresentará aos países, em até um mês, uma proposta de plano de trabalho para esses agentes.

Torres defendeu a adoção de “novas ferramentas” para uma maior cooperação regional. “A colaboração ampliada no CCPI poderá ser uma dessas ferramentas, que se valerá do uso compartilhado de inteligência gerada por dados satelitais de georreferenciamento e de reconhecimento visual, para o mapeamento e a contenção do crime e da violência”, argumentou.

Ele acrescentou que o fortalecimento da cooperação regional poderá também impulsionar os trabalhos da Ameripol, uma espécie de polícia continental a ser institucionalizada, e pela troca de informações com a Interpol.

Dessa forma, acrescentou Torres, o continente dará um passo importante visando o estabelecimento de uma “nova ordem no enfrentamento ao crime organizado”. O encontro entre ministros encerrará nesta sexta-feira (24).

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Justiça

Censo: cai liminar que mandava incluir perguntas de orientação sexual

Publicados

em

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou hoje (27) que só comentará a suspensão da liminar que o obrigava a incluir perguntas sobre orientação sexual e identidade de gênero no Censo 2022 após a Advocacia-Geral da União (AGU) ser intimado e ter examinado a decisão do presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) da Justiça Federal do Acre, desembargador federal José Amilcar Machado. A decisão foi tomada na sexta-feira (17) e divulgada hoje pelo IBGE.

A inclusão de perguntas sobre o tema no Censo 2022 tinha sido determinada em liminar do juiz federal Herley da Luz Brasil, da Justiça Federal do Acre no dia 3 de junho e, embora fosse local, poderia ser aplicada em todo o país. A liminar atendeu a uma ação civil pública do Ministério Público Federal do Acre.

“O IBGE só vai se manifestar sobre a suspensão da liminar da Justiça Federal do Acre, pelo TRF1, depois que a AGU tiver sido intimada e examinado a decisão”, diz o instituto.

Na decisão, o desembargador destacou justificativas apresentadas pelo IBGE para não incluir perguntas sobre orientação sexual e identidade de gênero nos questionários deste ano. Segundo José Amilcar, o IBGE aponta impacto financeiro importante, especialmente se for necessária alguma mudança metodológica e se as perguntas precisarem ser respondidas individualmente, o que exigiria a coleta de informações com a própria pessoa e poderia levar à necessidade de novas visitas, correndo o risco de inviabilizar a operação censitária.

“Essas mudanças podem diminuir significativamente a produtividade do recenseador e elevar o tempo de coleta como um todo, aumentando o gasto com mensalistas, aluguéis, dentre outros”, afirma José Amilcar Machado. Ele destaca ainda a avaliação do IBGE de que, dependendo dos resultados dos testes, pode ser necessário fazer perguntas de campo aberto, “o que aumenta, ainda mais, a expectativa de tempo de preenchimento e custo dos questionários”.

Quanto a outros serviços, o IBGE diz que pode haver impacto em outras publicações de resultados previstas no censo e em pesquisas amostrais domiciliares, que têm a coleta ajustada ao calendário instituto, além de prejuízo na renovação da amostra mestra, que serve de base para a seleção das unidades para as pesquisas amostrais domiciliares do instituto.

“Impacto em toda a infraestrutura de coleta, pois não há garantia de manutenção dos postos de coleta até a realização do censo; cálculos e justificativa sobre a perda orçamentária, ainda não quantificada, mas de expressiva monta, desobediência ao Supremo Tribunal Federal que determinou a realização do Censo Demográfico em 2022”, completa José Amilcar Machado, citando as justificativas do IBGE.

De acordo com o magistrado, foi demonstrada a impossibilidade de implementação na data prevista – 1º de agosto – dos campos “orientação sexual” e “identidade de gênero” nos questionários básico e amostral do Censo 2022, o que ensejaria a necessidade de adiamento. Para ele, haveria ainda impacto na contratação de 25 mil servidores temporários e de mais 183 mil recenseadores já selecionados.

Apesar disso, Machado ressalta que sua decisão foi baseada em aspectos gerenciais e temporais, uma vez que falta pouco tempo para o início do censo e que, se este não fosse realizado, acarretaria mais males do que benefícios à população. Ainda assim, ele afirma que nada impede que os questionamentos sejam feitos nos próximos censos.

Na decisão, Machado observa também que os argumentos apresentados pelo Ministério Público do Acre sobre a necessidade de delimitação da população LGBTQIA+ para formulação de políticas públicas estão sendo consideradas pelo IBGE e que, embora haja muito a acrescentar, a análise “que possibilitará ampliar as garantias e proteção dessa parte da sociedade brasileira está evoluindo e merecem total respaldo”.

O magistrado ressalta que não se questiona a necessidade de buscar tais informações. “O cuidado e o esforço dos governantes devem ser amplos e considerar todo cidadão, buscando o atendimento dos seus direitos e a proteção das suas garantias, o que demanda política pública própria, devida a essa minoria, sem discriminação alguma.”

Edição: Nádia Franco

Continue lendo

MAIS LIDAS