65 99230 9678 | 65 3055 2070

CUIABÁ

Mundo

Bolsonaro usa redes sociais para manipular, diz Nobel da Paz

Publicados

Mundo

source
Maria Ressa foi a vencedora do Prêmio Nobel da Paz de 2021
Reproducao: Facebook

Maria Ressa foi a vencedora do Prêmio Nobel da Paz de 2021

Populistas digitais como o presidente Jair Bolsonaro usam plataformas de redes sociais para manipular usuários em detrimento da democracia, e os brasileiros precisam estar cientes de que estão sendo manipulados, segundo a vencedora do Prêmio Nobel da Paz de 2021, Maria Ressa. Ela compara a atuação de Bolsonaro na comunicação à campanha em que o americano Donald Trump disseminou a falsa alegação de que a eleição em que foi derrotado, em 2020, havia sido fraudada.

“Soem os alarmes. É claro que algo assim pode acontecer. Já está acontecendo. Vimos algo semelhante sendo preparado nas Filipinas, é um manual. A cartilha dos ditadores é clara, eles aprendem uns com os outros”, afirmou Ressa.

A jornalista filipina afirma também que esses líderes dizem o que as pessoas querem ouvir, apelando para o “nós” contra “eles”, em um processo tão definidor da História quando o que antecedeu a Segunda Guerra Mundial.

Ressa, que revelou denúncias contra o governo do ex-presidente filipino Rodrigo Duterte em seu portal Rappler e por isso enfrenta uma série de processos judiciais no seu país natal, conversou com O GLOBO durante o Fórum de Mídia Global, evento promovido pela empresa alemã de comunicação Deutsche Welle, em Bonn.

Vimos um ciclo de líderes se elegerem e depois perderem eleições usando as redes sociais. Isso quer dizer que elas já não são mais tão eficazes?

Não. Macron ganhou na França, mas Marine Le Pen cresceu para 40%. Sem mídias sociais, a radicalização, a polarização diminuiriam, o que permitiria que governos e jornalistas fizessem seu trabalho. A distribuição das notícias é o maior problema. É como se o cara que estivesse dirigindo o carro dissesse: só vou te levar onde quero ir, e só vou onde ganho mais dinheiro. Foi o que a tecnologia fez. Antigamente, os jornalistas faziam tanto conteúdo quanto distribuição, o que significava que a distribuição também era protegida por padrões e métodos éticos. Não manipulávamos, apenas desenvolvemos o ofício de contar uma boa história. Não mudávamos os fatos. Tudo isso é deixado de lado pelas plataformas de distribuição hoje, porque a estrutura de incentivos, o que eles recompensam, o que tem a maior distribuição, não é bom jornalismo. São mentiras misturadas com raiva e ódio. Isso é parte do que enfraquece o tecido de nossas sociedades e destruiu nossa realidade comum.

A senhora fez uma mudança em sua carreira, da mídia tradicional para a digital. Isso significa que você também é cética com a mídia tradicional?

De jeito nenhum. Os padrões e a ética do jornalismo permaneceram os mesmos, só a forma mudou. Mais de uma década atrás, abracei as mídias sociais, realmente acreditava que elas podiam promover o bem social. Parte da razão pela qual somos inimigos agora é porque os instintos de lucro [das empresas de mídias sociais] manipulam insidiosamente seus usuários. Eles estão nos usando como cães de Pavlov em detrimento da democracia, do jornalismo e do bem social. O Brasil é um exemplo perfeito. Você pega alguém como Bolsonaro, que, com o YouTube, saiu da extrema direita e foi levado para o centro. A mídia tradicional foi atrás. O que esses líderes fazem? Eles são populistas digitais. Dizem o que você quer ouvir, usam o “nós” contra “eles”. Um país como a Alemanha conhece os perigos disso. Estamos vendo isso se espalhar globalmente. Viktor Orbán, na Hungria, colocou na ideologia do Estado a teoria da grande substituição [que prega que a população branca cristã será substituída por imigrantes de outras cores e credos]. Essas são as raízes do fascismo. A tentativa de demonizar [o outro] é o núcleo de ” Mein Kampf ” de Hitler. Isso levou a uma grande violência naquele período. Precisamos estar cientes do que isso pode fazer hoje.

A senhora acha que devemos estar tão preocupados quanto antes da Segunda Guerra Mundial?

Pense no fato de o Comitê ter dado o Prêmio Nobel da Paz em 2021 aos jornalistas. A última vez que isso aconteceu foi em 1935. O jornalista se chamava Carl von Ossietzky, ele não pôde viajar para Oslo para receber a notícia porque definhava em um campo de concentração nazista. Acredito que, quando anunciaram que os vencedores do Nobel da Paz seriam Dmitry [Muratov, jornalista russo] e eu, foi um reconhecimento de que estamos de volta a esse momento existencial, em uma bifurcação. Vamos salvar a democracia? Ou vamos avançar para o fascismo? Acabamos de passar por eleições nas Filipinas, onde perdemos a batalha pelos fatos: 36 anos depois que Ferdinand Marcos e sua família foram depostos em uma revolta popular, seu filho e homônimo, Ferdinand Marcos Jr., ganhou por maioria esmagadora. Por quê? Eles usaram operações de informação desde 2014 para mudar a História e transformar o pai de pária em herói.

Quem são os líderes que ameaçam a democracia hoje?

Sabemos quem são. O problema é que o equilíbrio de poder geopolítico vai mudar: são líderes democraticamente eleitos. A pergunta que sempre faço é: se você não tiver integridade de fatos, como terá integridade eleitoral? Onde está a linha em que os cidadãos em uma democracia têm livre arbítrio para escolher quando estão sendo manipulados insidiosamente pelas operações de informação viabilizadas pelas plataformas de mídia social? O Quênia tem eleições em agosto, o Brasil em outubro, os EUA terão eleições de meio de mandato em novembro. No ano que vem, os maiores países ao redor do mundo terão eleições. Indonésia, a maior população muçulmana do mundo; na Europa, Polônia. À medida que os cidadãos elegem mais populistas autoritários digitais, o mundo real muda, o equilíbrio de poder muda e talvez empurremos o mundo na direção de autocratas, do fascismo no seu pior. Quem dirá se será melhor ou pior? Tendo a acreditar em liberdade e igualdade, foi assim que cresci como jornalista, mas precisamos estar atentos às tendências que estão acontecendo.

Por que a senhora diz que um movimento similar ao Stop the Steal [Pare o Roubo, nome usado por Donald Trump em sua campanha em que alegava falsa fraude em 2020] já está acontecendo no Brasil?

Soem os alarmes. É claro que algo assim pode acontecer. Já está acontecendo. Vimos algo semelhante sendo preparado nas Filipinas, é um manual. A cartilha dos ditadores é clara, eles aprendem uns com os outros. O que está acontecendo na Ucrânia também está se infiltrando em todas as nossas democracias. A doutrina militar russa inclui guerra de informação. É uma arma potente. Em 2014, os ucranianos foram às plataformas de mídia social, ao Facebook, e contaram o que estava acontecendo. O que vimos é a mesma coisa, contas falsas semeando uma narrativa de baixo para cima. Em 14 de maio de 2014, em Genebra, Sergei Lavrov [chanceler russo] disse exatamente a mesma coisa que uma conta falsa que mais tarde foi derrubada pelo Facebook havia dito um dia antes sobre o neonazismo em Odessa, como os judeus estavam sendo maltratados. Era mentira. Mas é a mesma metodologia, de baixo para cima, de cima para baixo, e o mundo não sabia o que fazer. A anexação da Crimeia começou. O que você faz com a informação de que você não gosta, a verdade? Você a suprime e a substitui. É isso que as operações de informação fazem. Vi isso no meu país, como a mídia tradicional e digital foi tirada do centro do ecossistema de informações e substituída por redes de propaganda. Isso não é igual à propaganda antiga. É como a diferença entre uma planilha de Excel e big data. É transformador e tornou-se um sistema de modificação de comportamento. Muda o que pensamos. E porque o que pensamos muda, a forma como agimos muda.

O que estamos vendo agora é culpa de líderes específicos ou é uma revolução sociocultural?

É uma tempestade perfeita. A tecnologia que está distribuindo nossas notícias está nos manipulando, porque o modelo de negócios quer reter sua atenção. Houve dois grandes casos de mudanças fundamentais na tecnologia. Na era industrial, no século XIX, a commodity era o trabalho. A commodity hoje, na economia da atenção, é a sua atenção. Eles querem mantê-lo em suas plataformas. Você deveria aprender, mas não está aprendendo nada. Como fazem isso? Deixando você com raiva. Gerando indignação moral. Assim você continua rolando a tela e compartilhando. Toda vez que você faz isso, eles ganham mais dinheiro com seus dados. É um ciclo de retroalimentação prejudicial. O que precisamos fazer é: a longo prazo, educar, a médio prazo, legislar, a curto prazo, conscientizar. É a sociedade civil. É como o que a Ucrânia aprendeu. Você tem que voltar para o mundo real, ver os laços que unem e mobilizam as comunidades. O mundo mudou fundamentalmente, onde você coloca sua atenção é o que dará sentido à sua vida. Não deixe que ela perca o sentido. Isso é o que a mídia social tem feito conosco. Me preocupo com nossos filhos.

A senhora viajou muito pelo mundo. Qual a imagem que o Brasil tem hoje?

Nos preocupamos com a Amazônia, porque diretamente relacionado à batalha pelos fatos e pela verdade está o clima. E essas histórias climáticas não se espalham nas mídias sociais, são muito chatas, mas é algo existencial. O Brasil pode ser um ponto de inflexão de tudo, tanto de governança quanto de clima. O que as plataformas de tecnologia mostraram é que os seres humanos têm mais em comum do que diferenças, que todos estamos sendo manipulados da mesma forma, nossa biologia é usada para nos manipular. Há uma ótima citação do biólogo E. O. Wilson: a maior crise do nosso tempo são nossas emoções paleolíticas, nossas instituições medievais e nossa tecnologia divina.

Qual lição você deixa para as eleições deste ano no Brasil?

Bolsonaro, como Marcos, viaja com seus próprios videobloggers. Não deixem um líder evitar perguntas difíceis. Se o candidato se recusar a responder a essas perguntas, é um problema. Este é um momento único no século, é um momento existencial para o clima e para a nossa democracia. O fascismo está vencendo. Nada contra Bolsonaro, não é pessoal, só precisamos ter certeza de que você escolhe em quem acredita, de que você terá as informações necessárias para fazer a escolha certa.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o perfil geral do Portal iG .

Fonte: IG Mundo

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mundo

Túmulos de quatro crianças astecas são descobertos no México

Publicados

em

 No coração do centro histórico da Cidade do México, arqueólogos mexicanos descobriram onde quatro crianças astecas foram sepultadas cerca de cinco séculos atrás.

Arqueólogos do Instituto Nacional de Antropologia e História do México encontraram os esqueletos dentro do que acreditam ter sido uma casa asteca tradicional com quatro quartos, com data entre 1521 e 1620, no início do período colonial do país.

As escavações também descobriram objetos pré-hispânicos, praticamente intactos séculos depois, como vasos de barro, potes de cerâmica e uma figura de pedra de uma mulher segurando uma criança, disse o instituto em um comunicado esta semana.

Os astecas eram uma civilização guerreira e muito religiosa, que construiu obras monumentais e praticava o sacrifício humano. No entanto, pesquisadores dizem que as crianças encontradas morreram de causas naturais e foram sepultadas em um tradicional estilo pré-hispânico.

Juan Carlos Campos, arqueólogo que liderou a escavação, disse que os indígenas enfrentavam duras condições de vida e não conseguiram fugir depois que os conquistadores espanhóis tomaram a capital asteca Tenochtitlán, que se tornou a Cidade do México.

Os astecas governaram um império que se estendeu do Golfo do México ao Oceano Pacífico, abrangendo grande parte do que é a região central do México em tempos modernos. Tenochtitlán foi conquistada pelo espanhol Hernán Cortés em 1521.

Fonte: EBC Internacional

Continue lendo

MAIS LIDAS