65 99230 9678 | 65 3055 2070

CUIABÁ

Mundo

Bento XVI é criticado em relatório de abusos cometidos por sacerdotes

Publicados

Mundo


O ex-papa Bento XVI não tomou medidas contra sacerdotes acusados em quatro casos de abuso sexual em sua arquidiocese quando era o arcebispo de Munique, concluiu um relatório na quinta-feira (20). 

O escritório jurídico Westpfahl Spilker Wastl (WSW) foi encarregado de investigar as acusações de abuso sexual na Arquidiocese de Munique e Freising entre 1945 e 2019. 

O relatório, comissionado pela arquidiocese, disse que há pelo menos 497 vítimas de abuso, a maioria delas jovens do sexo masculino. Muitos outros casos provavelmente não foram reportados, apontaram os advogados. 

Um porta-voz do ex-papa não respondeu imediatamente a um pedido por comentários. Bento, que tem hoje 94 anos, vive no Vaticano desde que renunciou como pontífice em 2013. 

Os advogados receberam a tarefa de descobrir quem sabia o que, e quais medidas foram tomadas. As atenções se focaram sobre Joseph Ratzinger, posteriormente conhecido como papa Bento XVI, que foi o arcebispo de Munique entre 1977 e 1982. 

Ao apresentar o relatório do escritório WSW, o advogado Martin Pusch disse que Ratzinger nada fez contra os abusos em quatro casos. 

“Em um total de quatro casos, chegamos a um consenso de que houve um fracasso em agir”, disse Pusch, acrescentando que o ex-papa havia recusado “rigorosamente” a responsabilidade pelas acusações. 

*É proibida a reprodução deste conteúdo

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mundo

Ataque a bar gay em Oslo é investigado como terrorismo

Publicados

em

source
Ao menos duas pessoas morreram em ataque a boate na Noruega
Divulgação/London Pub

Ao menos duas pessoas morreram em ataque a boate na Noruega

O ataque a tiros a um bar gay em Oslo , na Noruega, que deixou ao menos dois mortos e 21 feridos, está sendo investigado como um “ato de terrorismo islâmico”, informaram as autoridades locais neste sábado (25). A ofensiva ocorreu na noite da última sexta-feira (24) no London Pub, um famoso bar e boate gay da capital norueguesa, e em outros dois lugares próximos: o clube de jazz Herr Nilsen e um estabelecimento de comida para viagem.

Duas pessoas foram baleadas e morreram na boate por volta da 1h (horário local). Outros 21 frequentadores foram hospitalizados, sendo três deles em estado grave. O suspeito de cometer o crime, um cidadão norueguês com origem iraniana de 42 anos, foi preso perto da boate, logo após o ataque. O homem é acusado de homocídio, tentativa de homicídio e atos de terrorismo. Duas armas de fogo foram apreendidas com ele. “Agora tudo indica que este ato foi cometido por apenas uma pessoa”, disse um policial em entrevista coletiva. As autoridades norueguesas ainda investigam as motivações do crime, mas suspeitam de crime de ódio. “Parece uma cena de guerra, com várias pessoas no chão com ferimentos na cabeça”, afirma uma testemunha, citada pela imprensa local. “O assassino estava muito determinado, especialmente para onde mirar. Quando percebi que era sério, fugi. Havia um homem ensanguentado caído no chão”, acrescentou uma mulher. Por causa do atentado, a Parada Gay Anual de Oslo, que deveria acontecer esta tarde, foi cancelada. “Todos os eventos relacionados ao Orgulho de Oslo foram cancelados” seguindo recomendações “claras” da polícia, escreveram os organizadores no Facebook.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MAIS LIDAS