65 99230 9678 | 65 3055 2070

CUIABÁ

CARROS E MOTOS

As celebridades e suas motocicletas

Publicados

CARROS E MOTOS


source
Tintin e a Indian 1941 com side car no longa As Aventuras de Tintin, de 2011
Divulgação

Tintin e a Indian 1941 com side car no longa As Aventuras de Tintin, de 2011

Outro dia eu estava contando um pouco sobre um conhecido detetive de ocasião dos quadrinhos, o Tintin, e as vezes que ele pilotou uma motocicleta. Nos quadrinhos, apenas uma vez, mas muitas com os automóveis. Mas, e as pessoas de verdade, as famosas, como será o seu relacionamento com as motos?

É fato notório que os automóveis representam a paixão de uma grande parte das pessoas, pelo mundo todo. As pessoas famosas, no entanto, parecem ter uma afinidade ainda maior com eles, principalmente se forem automóveis muito exclusivos.

Já com as motocicletas a coisa é um pouco diferente. Sempre houve um número menor de apaixonados pelos veículos motorizados de duas rodas, apesar de que, nas últimas décadas , essa quantidade vem aumentando muito. É, as motocicletas estão cada vez mais populares. E apaixonantes.

O legal da coisa é que, nas maioria das vezes, não é necessário que a motocicleta objeto da paixão seja exclusiva, ou muito cara. Esse é o ponto que difere as motocicletas dos carros. A felicidade e a liberdade de uma motocicleta não depende de seu preço, tamanho ou cilindrada.

Pesquisando sobre os artistas famosos, sempre há aqueles que estão posando em suas motocicletas, com as caras mais felizes deste universo. Se for uma mini moto, até melhor. Diversão garantida , quase sem risco.

Vamos começar bem lá atrás, no antigamente. O sir Arthur Conan Doyle, que não era astro do cinema nem nada, mas ficou famoso por escrever dezenas de histórias sobre o detetive mais famoso do mundo , Sherlock Holmes.

Arthur Conan Doyle
Divulgação

Arthur Conan Doyle

Outra personalidade bem feliz em cima de sua motocicleta é o Coronel Thomas Edward Lawrence , o famoso Lawrence da Arábia, militar inglês que ficou famoso por participar da Revolta Árabe de 1916. Tinha paixão por motocicletas, em especial a mais refinada de todas elas, a Brough Superior, considerada a melhor motocicleta do mundo, com a qual ele posa na fotografia.

Sua vida foi contada no filme Lawrence da Arábia , com o militar vivido pelo ator inglês Peter O’Toole.

Leia Também

Leia Também

Lawrence da Arábia e a sua Brough Superior
Divulgação

Lawrence da Arábia e a sua Brough Superior

A próxima foto mostra o ator Steve McQueen e m uma cena do filme Fugindo do Inferno, na qual ele tenta fugir de um campo de prisioneiros saltando um cerca de arame farpado com uma motocicleta roubada dos nazistas. Cena antológica. McQueen era mesmo piloto, corria nas 24 Horas de Le Mans , e era realmente apaixonado por motocicletas. Sua marca preferida era a inglesa Triumph.

Steve McQueen em cena do filme Fugindo do Inferno
Divulgação

Steve McQueen em cena do filme Fugindo do Inferno

Lembra do seriado Esquadrão Classe “A”? Um grupo de ex-militares estava sempre aprontando com carros, para salvar inocentes, poucas vezes as motocicletas participaram das perseguições. Mas, na foto, Mr. T, que fazia o papel de BA Baracus , personagem que morria de medo de voar em aviões, posa com uma Kawasaki Z1000 da polícia. Acho que não tinha medo de motos.

Mr. T em uma Kawasaki Z1000 da polícia
Divulgação

Mr. T em uma Kawasaki Z1000 da polícia

Dos cavalos às motocicletas. O cantor Roy Rogers, cujo nome verdadeiro era Leonard Franklin Slye, trocou seu alazão Trigger por essa Indian , posando com sua filha. Será que ele trocaria também nas cenas dos centenas de filmes em que ele atuou como cowboy?

Roy Rogers e sua filha
Divulgação

Roy Rogers e sua filha

Também em filmes de bang-bang, só que mudos, Tom Mix era um cowboy que gostava de motos. Pena que não dava para ouvir o ronco da motocicleta no filme sem som.

Tom Mix era ator de filmes de cowboy, só que de filmes mudos. E gostava muito de motos
Divulgação

Tom Mix era ator de filmes de cowboy, só que de filmes mudos. E gostava muito de motos

Mais um cowboy montado em uma motocicleta. Desta vez é o número 1, John Wayne . Só que está na cara que ele está apenas passeando pelas redondezas com sua motocicleta de motocross. Essa moto moderna não combinaria com a época de ouro do western.

Tintin e a Indian 1941 com side car no longa AsAventuras de Tintin, de 2011
Divulgação

Tintin e a Indian 1941 com side car no longa AsAventuras de Tintin, de 2011

O eterno James Bond , vivido pelo ator inglês Sean Connery, sempre usava motocicletas em suas cenas de perseguição (ou fuga). Aqui parece que o ator está penando um pouco para domar seu pequeno triciclo .

Sean Connery brincando de triciclo lá pelos anos 70
Divulgação

Sean Connery brincando de triciclo lá pelos anos 70

Por fim, os criadores da motocicleta mais famosa da história, William Harley e Arthur Davidson , posando em suas criações. Mal sabiam eles, nesse dia, que suas motocicletas se tornariam tão importantes na história das moto.

William Harley e Arthur Davidson, com suas motocicletas Harley-Davidson
Divulgação

William Harley e Arthur Davidson, com suas motocicletas Harley-Davidson


Fonte: IG CARROS

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CARROS E MOTOS

VW Nivus Highline 2022: como anda o meio hatch meio SUV

Publicados

em

source
VW Nivus Highline: Testamos na cidade, na estrada, na terra batida e na lama
Guilherme Menezes/ iG Carros

VW Nivus Highline: Testamos na cidade, na estrada, na terra batida e na lama

O VW Nivus é um verdadeiro crossover de SUV, cupê e hatch. Quando comparado ao Polo — de quem o VW Nivus foi derivado — o modelo Highline (R$ 136.270) dos nossos testes tem algumas vantagens. A maior parte delas, de fato, servem para agradar as pessoas que procuram atributos mais “descolados” em um carro.

Dois dos pontos que chamam atenção no VW Nivus Highline da linha 2022 é vão livre do solo (17,6 cm ante 14,9 cm) e o espaço interno, inclusive o porta-malas (415 litros ante 300 litros). Outro é o bom acabamento, com aplique preto brilhante no painel e tecido de boa qualidade nos bancos.

Ainda falando do interior, há espaço para cinco ocupantes e bagagens. Quem vai sentado no banco traseiro conta com saídas do ar-condicionado, o que contribui com o conforto, mas a distância entre-eixos é praticamente igual à do hatch compacto Polo (2,57 m) e, por isso, o espaço para os joelhos deixa um pouco a desejar. 

A nova  central multimídia do VW Nivus funciona em conjunto com o aplicativo VW Play Apps , além das parcerias com Estapar, Waze, iFood, Deezer, entre outros. Conta com tela de 10,1 polegadas sensível ao toque, com Apple Car Play e Android Auto e comando por voz.

Por meio dela, também é possível pagar estacionamentos , o Zona Azul, bem como pedir um guincho em caso de defeito, ou escolher algo para comer a ser entregue em algum endereço. Além disso, há o “Modo Vallet”, que bloqueia informações pessoais do usuário, ao ser ativado.

No asfalto, o Nivus mostra a qualidade de aliar bom desempenho com baixo consumo, além de ser ágil nas manobras. O motor 1.0 turboflex , de três cilindros, com câmbio automático sequencial de seis marchas é suficiente para ultrapassagens seguras. Nesse quesito, também conta com AEB (Frenagem Autônoma de Emergência), ACC (Controle Adaptativo de Cruzeiro) e ISOFIX.

Seus 128 cv e 20,4 kgfm a 2.000 rpm se traduzem em respostas rápidas aos comandos do acelerador. Mas isso com o câmbio no modo “S”, já que, fora dele, as reações se mostram mais “anestesiadas”. De acordo com a fabricante, para ir de 0 a 100 km/h, o carro precisa de bons 10 segundos.

Com as mãos no volante multifuncional , revestido de couro, e com hastes atrás, a direção é precisa em velocidade e leve ao estacionar. E a suspensão trabalha bem tanto para absorver as irregularidades do piso quanto para manter o carro estável nas curvas, inclusive, em estradas de terra.

Levantamos poeira em alguns trechos e comprovamos que o Nivus vai bem na terra, contanto que você passe apenas por caminhos de terra batida e com obstáculos fáceis de serem superados, longe de trilhas e lamaçais, que provocaram algumas escorregadas nos nossos testes.

Para quem vai pegar estrada, o tanque de 52 litros pode ficar pequeno, limitando a autonomia . Mesmo assim, conforme dados do Inmetro, o Nivus pode rodar 489 km com etanol e 686 km com gasolina, em uso rodoviário, fazendo 9,4 km/l e 13,2 km/l, respectivamente. Na cidade, faz 7,7 km/l com etanol e 10,7 km/l com gasolina.

Conclusão

Depois de ter experimentado o VW Nivus Highline nas mais diversas condições de asfalto, ficou claro que o acerto, tanto do conjunto mecânico quanto do estrutural, são pontos altos. Para quem gosta de dirigir, estar ao volante de algo que tem aparência de um SUV, mas que anda como um hatch bem acertado, deixa boa surpresa.

Ficha técnica, VW Nivus Highline

Preço: A partir de R$ 136.270

Motor: 1.0, quatro cilindros, flex, turbo

Potência: 128 cv (E) / 116 cv (G) a 5.500 rpm

Torque: 20,4 kgfm a 2.000 rpm

Transmissão: Automático, seis marchas, tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados (dianteiros) / sólido (traseiros)

Pneus: 205/55/R17

Dimensões: 4,27 m (comprimento) / 1,75 m (largura) / 1,49 m (altura), 2,57 m (entre-eixos)

Tanque: 52 litros

Porta-malas: 415 litros

Consumo gasolina: 7,7 km/l (cidade) / 9,4 km/l (estrada), com etanol e 10,7 cidade e 13,2 km/l na estrada, com gasolina

0 a 100 km/h: 10 segundos

Velocidade máxima: 189 km/h

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

MAIS LIDAS